Animateatro | “Mário ou Eu Próprio-o-outro”
9299
post-template-default,single,single-post,postid-9299,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-3.4,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

ANIMATEATRO

“Mário ou Eu Próprio-o-outro”

  |   agenda animateatro
  • 26 Janeiro (Sábado)
    Espaço Animateatro
    21H30

 

 

“MÁRIO ou EU PRÓPRIO-O-OUTRO”
por UMBIGO (Lisboa)
M14 | 60min

 

Sobre
Quis o destino, ou outra força desconhecida, como a coincidência, que criássemos esta produção no ano do centenário da morte do seu protagonista: Mário de Sá-Carneiro, 2016. Esta vontade da companhia em recriar cenicamente o texto de José Régio, fantasiando o dia do suicídio do seu amigo Mário, estava na gaveta das nossas vontades, e naquele ano decidimos tirá-la de lá, levando-a agora a outros palcos.  Assim, surge esta criação artística, de artistas, sobre artistas, através de artistas e para todos. O poeta e contista Mário de Sá-Carneiro, é o protagonista, José Régio, o autor. Ambos homens das letras. Amigos. Artistas. Loucos. Como se a loucura pudesse ser sempre identificada.  Ambos se confrontavam com dualidades, com alter-egos, com contrastes e cobiças projetadas em alguém deles próprios, mas camufladamente privados, íntimos. No caso de Fernando Pessoa, amigo bastante próximo de Sá-Carneiro, podemos dizer que acontecia o mesmo, mas manifestado de forma diferente. Pessoa não só se recriava enquanto vários Outros, mas também dava a conhecê-los. Mário escondia o eu Outro de todos, porque o escondia de si, exorcizando-se dele apenas nos seus textos. Esta projeção era construída através dos reflexos dos seus antagonismos, servindo-se dela para o fazer sentir rebaixado e vitimizado, uma forma de estar que cada vez mais começou a tomar conta deste artista, fruto da sua loucura, ou estranha razão, mas sempre e progressivamente com tendências depressivas, e, mais tarde, suicidas. Foi assim que encontrou a solução para que o outro o deixasse em paz, tomando uma forte dose de estricnina. Régio, através das suas palavras, conta esse momento; cartas entre Mário e Pessoa ilustram esses pensamentos, e com estes ingredientes, nós criámos este espetáculo.

 

Sinopse
26 de abril de 1916, Mário de Sá-Carneiro suicida-se em Paris. Na verdade, não se suicidou, foi suicidado. Pelo Outro, por ele próprio, o espelho de uma mente instável e revoltada em si, de si, para si.
Este espectáculo vem propor um tecido cénico e performativo a este episódio, escrito por Régio e com textos das cartas de Fernando Pessoa, recriando uma relação entre dois personagens com génese apenas num.
A atuação das palavras e os diálogos visuais são criados num jogo de conflito, submissão, superioridade e loucura. Os dois personagens não procuram ser o oposto um do outro, mas sim a personificação de desejos e diferenças que Mário almejava. E deu vida ao Outro. E o Outro, deu-lhe a morte.

 

Ficha Técnica e Artística
Texto de: José Régio | Cartas de: Fernando Pessoa | Poemas de: Mário de Sá-Carneiro | Adaptação e Encenação: rogério paulo | Interpretação: Anouschka Freitas e Ricardo Barceló | Grafismo: roger | Produção Artística: umbigo – companhia de teatro | Produção Executiva: Resto de Nada – Associação Cultural