Animateatro | “Sem Rosto”
9733
post-template-default,single,single-post,postid-9733,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-3.4,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

ANIMATEATRO

“Sem Rosto”

  |   agenda animateatro
  • 7 Dezembro (Sábado)
    Espaço Animateatro
    21H30

 

 

“SEM ROSTO”
Teatro documental por Matilde Magalhães e Tomás Gomes (Évora)
M12 | 45min

 

 

Sobre
“O que quero ouvir daqui a dezenas de anos? Como tudo se passou? Uma descrição das operações de guerra, os nomes esquecidos dos mortos? Não, procuro outra coisa. Recolho o que chamaria “conhecimento do espírito”. Sigo o rasto da vida espiritual, faço anotações da alma. Para mim, o caminho da alma é mais importante do que o acontecimento em si. “Como aconteceu” não é o mais importante, o que me preocupa e me assusta é outra coisa – o que aconteceu com o ser humano ali? O que viu e percebeu ele? Da vida e da morte em geral? De si mesmo, afinal? Escrevo a história dos sentimentos… A história da alma… Não a história de uma guerra ou de um Estado, e não a vida dos heróis, mas a história de um ser humano arrancado da vida comum para a profundeza épica de um enorme acontecimento. Para uma grande História.”
(excerto de A Guerra Não Tem Rosto de
Mulher de Svetlana Alexievich, 2013)

 

SEM ROSTO (2019) surge como projeto final da Licenciatura em Teatro, na Escola de Artes da Universidade de Évora. Nasce de um conjunto de testemunhos de pessoas que vivenciaram a guerra, nomeadamente mulheres. O nosso ponto de partida foi o livro “A Guerra Não Tem Rosto de Mulher” de Svetlana Alexievich (2013, Trad. Galina Mitrakhovich).

 

Sinopse
Guerra. É quando tens a pessoa que mais amas à tua frente e não podes tocar-lhe.
Guerra. São as lágrimas de uma criança quando perde o seu brinquedo preferido.
Guerra. Tem o sabor de um corte feito por uma folha de papel.
Guerra. É como terra molhada. Por mais que a mastigue não a consigo digerir.
Guerra. O ar é quente e difícil de respirar.
Guerra. Cheira a flores deixadas ao acaso. Perdidas algures no chão que toda a gente pisa.

 

Ficha Técnica e Artística
Criação e Interpretação: Matilde Magalhães e Tomás Gomes | Sonoplastia: Alberto González Cerrejón | Desenho de Luz: Apollo Neiva | Fotografia: Joana Calhau | Design Gráfico: Rúben Jaulino | Apoio Técnico: Apollo Neiva | Orientação: Ana Tamen